Divisão de Homicídios começa a ouvir pessoas ligadas a Marielle Franco e Anderson Gomes

Nenhum deles falou com a imprensa ao chegar à Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca

Monica Benício chega à Delegacia de Homicídios Foto: Reprodução / RJ TV

Pessoas ligadas ao Psol, partido de Marielle Franco, e à própria vereadora, assassinada na semana passada, estão sendo ouvidos na Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, nesta terça-feira. O grupo chegou por volta das 10h45m e entrou rapidamente por uma entrada lateral sem falar com a imprensa. Entre eles estaria a companheira da vereadora morta, Mônica Benício.

O deputado estadual Marcelo Freixo chegou cerca de meia hora depois e também não falou com jornalistas. Marielle trabalhou por cerca de dez anos com o parlamentar, antes de se eleger vereadora. Com os depoimentos, a polícia busca elementos que possam ajudar a solucionar o crime, do qual foi vítima também o motorista Anderson Gomes.

Marielle e o motorista foram mortos na noite da última quarta-feira, no Estácio. A vereadora saia de um compromisso na Casa das Pretas, na Lapa, região boêmia do Rio. No carro estava ainda uma assessora da vereadora que sobreviveu. Imagens de câmeras de segurança mostram que o carro da vereadora foi seguida por dois veículos da Lapa até o local do crime, onde o ocupante de um desses automóveis fez os disparos.

Fonte: extra.globo