Semar fiscaliza retirada de produto tóxico da BR 135

Ação rápida para evitar a contaminação do lençol freático, considerando a proximidade do local com o leito do Rio Gurguéia

Auditores fiscais da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar), especializados em acidentes com produtos químicos perigosos e contaminação de solo, estão na região do município de Bom Jesus, mais precisamente, na BR 135, km 387. Os fiscais analisam a proporção de contaminação do solo com o produto que é um herbicida, espalhado por conta de um tombamento de caminhão, que ficou totalmente destruído pelas chamas.

O caminhão transportava uma grande carga deste produto químico, que é utilizado na agricultura para o controle de ervas classificadas como daninhas. Ao tombar e pegar fogo, o caminhão espalhou grande parte dos produtos pela extensão da rodovia, o que chamou atenção de populares que, sem conhecimento, acabaram saqueando a carga, que emitem vários vapores tóxicos. Posteriormente, algumas destas pessoas, deram entrada nos postos de saúde da região, com sintomas de vômito, falta de ar, dores de cabeça e mal-estar.

No total foram 25 toneladas do herbicida, que totaliza aproximadamente 25 mil embalagens de um litro. “Parte da carga foi saqueada, outra ficou espalhada na rodovia que é bem estreita. Fomos acionados pela Polícia Rodoviária Federal e de imediato entramos em contato com a transportadora que se manifestou positivamente em colaborar. O perigo é a área afetada que fica muito próximo de um canal de águas pluviais. Porém, como a região está muito seca, não tem água, o que favorece a limpeza imediata e a redução dos riscos de contaminação”, ressalta o auditor fiscal Francisco Mascarenhas.

A Semar está acompanhando a empresa contratada pela transportadora para realizar a remoção do produto no local. A grande preocupação dos fiscais é justamente, por que o local de derramamento da carga fica a 500 metros do Rio Gurguéia, muito importante na bacia hidrográfica do Estado do Piauí. O objetivo é remover todo o produto o mais rápido possível, tendo em vista que existe previsão de chuva na região, para a próxima quarta-feira, dia 17, o que poderá gerar uma contaminação em maior proporção do lençol freático. Nesse domingo (14), o trabalho será concluído, totalizando aproximadamente a retirada de 60 toneladas de solo contaminado e muitas embalagens vazias.

Segundo Renato Nogueira, todo o material será direcionado para incineração em uma empresa licenciada em outro estado, com devida destinação ambiental correta. A partir de agora, a secretaria passa a realizar o monitoramento da região, com análise a cada 30 dias, das condições do solo.