Teresina é pioneira em tecnologia de produção de asfalto operando com GLP

(Foto: Divulgação/Ascom)

A capital piauiense completa 166 no próximo dia 16 de agosto, mas o presente de aniversário chegou adiantado e garantindo muitos motivos para comemoração. A Prefeitura de Teresina está na fase final de testes na implantação de queima de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), energia mais limpa e sustentável, para a produção de asfalto da usina recém-inaugurada.

Para o Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Marco Antônio Ayres, este avanço é um marco de grande importância para a cidade. “Seremos um dos pioneiros no Nordeste com usina de asfalto operando com GLP. Isso representa um impacto mínimo para o meio ambiente, pois produção dessa energia é livre de resíduos tóxicos”, afirma. A utilização do GLP na produção de pavimentação asfáltica permite um processo de fabricação muito mais limpo, com um produto final de melhor qualidade, otimizando a produtividade.

De acordo com Daniel Pereira, coordenador de asfaltamento da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh), outro diferencial é o que GLP pode ser utilizado em diferentes momentos do processo de fabricação do asfalto. “O gás pode ser utilizado tanto no início da produção, quando colocamos pedrisco, pedra e pó, que entram no tambor úmidos e precisam ser secados, ou quando usamos para auxiliar o aquecedor de fluido térmico, no tanque de armazenagem do cimento asfáltico.

Ainda segundo o coordenador, o GLP otimiza a automatização do sistema de combustão, garantindo um maior controle de todo o processo de produção. “Temos em mãos a possibilidade de alcançar o ISSO 14.000 de qualidade, permitido apenas para usinas que utilizam GLP, e, além disso, conseguiremos reduzir os custos operacionais, os impactos ambientais e alcançar mais eficiência ao nosso processo de fabricação total”, completou.

Nova Usina de Asfalto

A nova usina de asfalto de Teresina entrou em operação no dia 27 de julho deste ano. A Prefeitura investiu R$ 1,7 milhão somente para a aquisição da nova usina, que possibilita a produção de até 100 toneladas de asfalto por hora, triplicando a produção de pavimento asfáltico da capital.